sábado, 25 de dezembro de 2010

Imensidão

As vezes a noite initerrupta de dor
ultrapassa o sofrer conhecido
Transborda as barreiras da ilusão
Inundando nossos corações


A poesia sem fim
Consola o poeta oculto em novas linhas
Alegra o papel nu
E ultrapassa suas meras palavras


Em vida real
Desistimos desta falsa ilusão
Só, somente nós
Cansados de almoçar nossos vomitos
Procuramos algo para agradar o inssaciavel


Procuramos vida
Após nós vermos mortos
Procuramos paz
Por estarmos exaustos da guerra
A dor não nós fará voltar


Seguiremos pela estrada sem fim
Caminhando sobre as estrelas do ceu
Famintos, queremos enfim, a REALidade

Alquimia viva ao pé da serra
Paro
Assim, transcendo as superficies
E vibro pela esperada paz


Aceitando o proprio destino
Livramo-nos do enorme fardo que é o querer
Transformamo-nos em nada
Completando o todo


Lagrimas de amor escorrem enfim
Se nada sou, nada quero
Nada espero
Escuto vida, nas asas de uma nua borboleta

Assim vivo,
Entre a dor e o viver
Entre a paz e o sofrer
by Allyson

Nenhum comentário:

Postar um comentário