sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Hambre de alma

Quantas noites eu passei acordada,
virava na cama, entristecida.
eu tinha fome

As vezes eu até chorava,desesperava,
engolia soluços,reprimia gritos.
eu tinha fome

A dor que sentia, por além de tudo,
não ser compreendida, quando tudo em mim ruia.
eu tinha fome

Onde? em que lugar o universo escondia, eu jamais entenderia.
eu tinha fome.

Nem eu mesma saberia, o que então saciaria.
Desci pra dentro de mim, e lá então pude ouvir
uma conversa entre a alma e o espírito,mente e coração.
eu tinha fome.

Minha fome era antiga, por isso doía.
Tinha fome de Amor! E a Vida me esvaia.

By Elisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário