terça-feira, 27 de julho de 2010

...Batalhas internas

Nós últimos dias tenho travado uma grande batalha contra mim mesma. E agora já não julgo meus inimigos, me vencer não é tarefa fácil.
Nunca o meu racional foi tão criativo e convincente.
As guerras normalmente se dão a noite, onde a alma finalmente se livra de tanto barulho externo, e ai então a batalha se concentra em um só ponto, o centro do ser - a mente.
Tem sido dias muito confusos apesar de toda a calmaria aparente, dentro de mim há vários redemoinhos.
Sei lá, pra nascer o bebê fica um tanto desinqueto, ansioso, teme o novo, mas anseia por ele com todas as suas forças, e tanto anseia que faz força e acaba rompendo seu cárcere, que outrora lhe foi útil; porém agora já não lhe serve mais. Há tanta vida lá fora!

Nenhum comentário:

Postar um comentário